Quando se pensa na cana-de-açúcar, nem imaginamos que os resíduos e subprodutos dela podem ser reaproveitados para outros fins. O bagaço, por exemplo, parte sólida da fibra da cana restante no processo da extração do caldo da cana, ganha mais utilidades ao passar dos anos. Ele então, é transportado até as fábricas para se tornarem diversos produtos do nosso dia a dia. Fique ligado quais são eles no nosso post de hoje.  

Energia elétrica em usinas

Esse tipo de energia tem crescido nos últimos tempos entre as usinas, por ser economicamente viável e autossustentável, uma vez que a energia originária exclusivamente da cana. Para ser utilizado, o bagaço é queimado em uma caldeira, passa por turbinas e o vapor produzido nela, gera a energia elétrica. Engana-se quem acredita que sua fumaça é prejudicial ao meio ambiente. A fuligem do bagaço fica retido nos filtros, e pode até ser usado como adubo para plantas.

Celulose e etanol

Os estudos avançaram e hoje também é possível gerar etanol a partir da celulose contida no bagaço da cana. Composto por hemicelulose, lignina e grande quantidade por celulose, o último é rico em açúcares, ideal para produzir de etanol. Para isso, é feita uma hidrólise do bagaço, com um fungo que consegue quebrar a lignina, separando a celulose da fibra. Isso faz com que haja a liberação das moléculas de açúcar contidas no bagaço e consequentemente, gerar mais energia com menor quantidade de queima. 

Alimento do Gado

O bagaço da cana pode ser utilizado na alimentação de ruminantes. O resíduo passa por alguns tratamentos como por exemplo, o químico, que diminui a eficiência no processo de digestão do animal. No entanto, é o processo de vapor sob pressão, que apresenta maior valor nutritivo, promovendo ganho de peso em bovinos e maior potencial de produção de leite em vacas.

Cimento

Um recente estudo brasileiro apontou que o bagaço da cana-de-açúcar pode ser usado na construção civil no cimento utilizado. Para isso, a fibra do bagaço ao ser queimado, gera cinzas, que possuem grande concentração de sílica, que ao entrarem em contato com a água e em conjunto com cal hidratada, forma um composto aglomerante, ou seja, ela endurece. Dessa forma, é produzido cimento, que tem resistência similar ao produzido nas indústrias.

Adubo

O adubo de terra é outro destino do bagaço da cana. A Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) de Agrobiologia desenvolveu em 2013, um adubo 100% vegetal para a terra. Materiais como torta de mamona, bagaço de cana e palhada de capim elefante, foram utilizados, eliminando a necessidade de adicionar inoculantes ou adubos minerais. Esse processo de transformação envolve milhões de microrganismos do solo, que usam da matéria orgânica in natura como fonte de energia e de alimento.

A partir dessa lista, é perceptível que a ideia portanto, é usar o máximo possível da cana-de-açúcar, economizando dinheiro e utilizando de processos ecologicamente corretos. A Terra e o bolso agradecem!